Segurança da etiqueta RFID

Você gravou seus dados na etiqueta RFID, mas, quem garante que ninguém vai alterá-lo? Para que nenhum hacker altere estes dados, quem faz este papel de segurança é a senha!

Segurança etiqueta RFID

Quando você compra a etiqueta a senha vem zerada ou seja, qualquer um pode alterar os dados da etiqueta.

Por isso, a primeira coisa que você deve fazer é gravar a senha!

A partir daí, toda alteração de dados na etiqueta RFID solicitará a senha, garantindo assim a segurança para sua etiqueta RFID.

Dica: Não perca a senha! 🙂

Tales Boalim
Moura Informática

Qual a diferença entre código de barras e RFID?

Fazendo uma analogia, seria a mesma coisa que perguntar: qual é a diferença entre um carro e uma carroça?

O RFID possui muitas diferenças, abaixo segue algumas delas:

  • Em uma contagem de estoque, o procedimento por RFID chega a ser 25 vezes mais rápido quando comparado com o código de barras. Veja como a contagem por RFID é rápida(600 etiquetas RFID por minuto).http://www.youtube.com/watch?v=noIy8GWPkkk
  •  O RFID possui serialização, ou seja, cada item terá rastreabilidade, já com o código de barras todos são iguais.
    Produtos idênticos possuem código de barras iguais.cod barras iguais
    Com etiqueta RFID, cada item será único.
    etiqueta rfid serializada no produto
  • O RFID é mais preciso que o código de barras na contagem em grande escala. A chance de um funcionário ler duas vezes o código de barras ou não ler um código de barras é muito maior que o RFID não ler uma etiqueta. Detalhe: O RFID não lê duas vezes o mesmo item pois ele é serializado.
    leitor codigo de barras lendo 2x
  • A etiqueta RFID armazena muito mais informação que um código de barras. O RFID armazena por exemplo: código do produto, o tipo do item(se é um produto de venda, se é ativo da empresa, etc.), possui serialização, possui uma memória que pode ser armazanada qualquer informação(ordem de produção, número de venda, etc.).
    dados codigo de barras e rfid
  • RFID pode regravar informação, o código de barras apenas pode ser lido.
  • O código de barras precisa de interação humana para ser lido(acionar o gatilho do leitor de código de barras), o RFID não precisa.
    lendo codigo de barras
  • Você não precisa enxergar a etiqueta RFID para lê-la. Por exemplo: se a etiqueta estiver dentro de uma caixa, ela será lida.
    etiquetas lidas dentro da caixa
  • A antena RFID lê a etiqueta em qualquer posição(horizontal ou vertical), já o código de barras precisa estar alinhado ao leitor.
    leitura antena rfid qualquer direcao
  • As etiquetas RFID podem ser lidas mesmo sujas, com poeira ou até embutidas em plásticos(não ficam visíveis).
    etiqueta dry
  • Etiquetas RFID são difíceis de serem falsificadas, no entanto, código de barras podem ser impressos por uma impressora laser.
    codigo de barras pirata
  •  Etiquetas RFID UHF podem ser lidas até 30 metros, o código de barras não passa de 1 metro.
    distancia de leitura rfid e codigo de barras

 

Lembram das carroças? Elas foram substituidas pelos carros. Por que não evoluir com o RFID?

 

Tales Boalim
Moura Informática

Qual é o nome correto ao se referir a uma etiqueta RFID: etiqueta ou TAG ou inlay ou transponder

O nome correto depende de 2 fatores: o tipo de etiqueta e a situação da conversa.

Mas primeiramente, o que é uma etiqueta RFID?

Etiqueta RFID é a composição de um chip, ligado a uma antena através de um conector, onde estes componentes são fixados em um substrato. O objetivo da etiqueta é identificar um objeto qualquer.

etiqueta chip

Inlay

O inlay é uma etiqueta RFID que apresenta apenas 4 componentes básicos: antena, chip, substrato e os conectores.

DryWet-Inlay

Transponder

Transponder é a mesma coisa que o inlay, só que a palavra transponder é mais usada nos Estados Unidos. A palavra mais correta das duas citadas anteriormente é inlay, pois é mais comercial.

Etiqueta

Quando o inlay possui o paper tag, ela torna-se uma etiqueta.

rolo etiqueta rfid

Paper tag é um papel que possibilita a impressão de dados na etiqueta.

TAG

TAG é a tradução em inglês da palavra etiqueta. Em minha opinião, é mais adequado dizer etiqueta em conversas e reuniões. Agora, em sites e documentos é muito usado TAG.

Situações onde usar as palavras corretas

Etiqueta – é a palavra mais usada e a mais fácil de compreender. Exemplos que :

A etiqueta está colada na caixa.

A etiqueta possui paper tag.

Ao se referir a um inlay, não dizer que ela é uma etiqueta. O inlay somente será uma etiqueta quando alterar a característica dela, como por exemplo colocar um paper tag.

O inlay depois de aplicado o paper tag é uma etiqueta.

O inlay colado em uma caixa é uma etiqueta.

TAG – é a tradução em inglês da palavra etiqueta. Muitas pessoas não irão assimilar que a palavra TAG é uma etiqueta, por isso, tome cuidado quando falar este termo perto de pessoas que não conhecem o assunto.

Inlay – somente falar inlay quando estiver se referindo tecnicamente com outra pessoa. Por exemplo: ao comprar a etiqueta RFID do fornecedor dizer se você quer inlay ou a etiqueta com paper tag.

Transponder – é uma palavra em inglês, que significa a junção de duas palavras: transmitter + responder.

Utilizar apenas quando outras pessoas usarem esta palavra. Use a palavra TAG para substituior transponder.

Tales Boalim
Moura Informática

Polarização da antena RFID

Tipos de antenas

Basicamente são dois tipos de antenas RFID: polarização linear e polarização circular

  • Polarização linear: as ondas eletromagnéticas se propagam em apenas uma direção: horizontal ou vertical.

PolHor

PolVer

  • Polarização circular: as ondas eletromagnéticas se propagam tanto na horizontal como na vertical.

circular

 

 Como escolher a melhor antena

Se você usar uma antena linear e colocar uma etiqueta RFID na horizontal, ela será lida pela antena RFID.

leu

Agora, se você colocar a etiqueta RFID na vertical, ela não será lida pela antena RFID.

naoleu

Se você precisa que a antena leia a etiqueta RFID tanto na posição horizontal ou vertical, você terá de utilizar a antena RFID circular.

circularleu

Tales Boalim
JN Moura Informática

Configurando o tempo de resposta da etiqueta RFID – alterando a Session

O que é RFID

RFID é um método que utiliza ondas eletromagnéticas para acessar dados armazenados em um microchip acoplado a uma antena identificando o objeto nele fixado. Basicamente, o RFID consiste em 3 componentes:

Etiqueta Antena Leitor
 et uhf  antena  leitor rfid

Etiqueta RFID

A etiqueta é um dispositivo que possui memória para armazenar dados e tem a capacidade de transmitir estes dados ao leitor RFID através de uma antena.

A transmissão destes dados pode ser configurada em 4 seções: 0,1,2,3.

Esta configuração é definida no leitor e terá o nome de Session.

Sessão 0

A etiqueta RFID responde todas as solicitações feitas pelo leitor RFID.

Exemplo: Se um leitor RFID consegue ler 300 etiquetas a cada 1 segundo, se eu deixar uma etiqueta em baixo de uma antena, ela poderá responder 300 vezes dentro deste segundo.

Sessão 1

Quando a etiqueta RFID recebe a requisição do leitor pela primeira vez, ela responde de prontidão. Após isso, a etiqueta entra em estado de silêncio e aguarda entre 0,5 a 5 segundos para responder a próxima requisição.

O tempo de silêncio não é configurado, quem define isso é a própria etiqueta. Ou seja, dentro de 1 segundo, ela pode responder apenas 2 vezes, ao invés de 300 vezes como acontece na Session 0.

Sessão 2 ou 3

A etiqueta RFID responde na primeira vez que foi detectada pela antena. Caso ela se mantenha perto da antena, a etiqueta não irá responder novamente. Quando ela for removida da antena, cerca de 2 segundos depois ela irá responder novamente.

Cenários de uso

Quando devo configurar Session 0?

Quando a aplicação precisa obter outras informações da etiqueta, como por exemplo: RSSI(potência da etiqueta que foi lida pela antena – usado para medir a distância da etiqueta com a antena) ou qual antena a etiqueta está sendo lida.

Outra possibilidade seria em uma aplicação de SmartShelf(armário para controle de estoque, que contém itens etiquetados com RFID). Quando uma pessoa remove ou adiciona um item no armário, prontamente a informação deverá aparecer no computador.

Quando devo configurar Session 1?

Em portais ou coletores de dados onde farão a contagem de muitos itens ao mesmo tempo.

Imagine um portal que irá ler um palete contendo 300 itens etiquetados com RFID onde o leitor está configurado com Session 0. O tempo que o funcionário consegue passar o palete dentro do portal é de 2 segundos.

Ao passar o palete pelo portal, o leitor receberá a resposta das etiquetas muitas vezes. Isso cria a possibilidade de alguma etiqueta ficar por último na resposta ao leitor e não ser lida porque o palete já passou pelo portal.

Caso real: Em um teste com um palete com 296 etiquetas onde o leitor está configurado com Session 0, a leitura máxima conseguida foi de 198 etiquetas.

Quando se usa a Session 1, o problema é minimizado drasticamente, pois a etiqueta “fica quieta” por um tempo. Com isso, o problema de leitura das mesmas etiquetas não irá interferir tanto na leitura daquelas que ainda não foram lidas.

Quando usar a Session 2 ou 3?

Usando como base o exemplo do palete citado na Session 1, a Session 2 ou 3 traz mais eficiência, pois a etiqueta só responderá quando ela sair do campo de leitura do portal e voltasse ao campo novamente.

Importante: no caso do palete ficar em baixo da antena por vários segundos, ela pode acabar se desernegizando. Isso pode acontecer caso um objeto interfira na leitura, como por exemplo: uma pessoa passou entre a antena e o palete ou uma etiqueta ficou na frente da outra no momento em que o palete parou.

Qual o propósito da Session 2 e 3 serem iguais?

Vamos imaginar que dois leitores precisam ler um palete ao mesmo tempo para reduzir o erro de leitura. Neste caso, iremos configurar um leitor com Session 2 e o outro para Session 3. Isso fará que uma leitura não interfira na outra e mantenha a etiqueta no modo silêncio.

As memórias da Etiqueta RFID UHF Gen 2

Etiqueta RFID UHF Gen 2

et uhf

A etiqueta, também é conhecida por: tag, inlay, transponder, contém dados que são transmitidos ao leitor quando é interrogada por ele.

Estes dados são armazenados em 4 memórias: Banco 0, Banco 1, Banco 2 e Banco 3

Banco 0

Chamado de Reserved Memory(Memória Reservada) contém a senha para inutilizar a etiqueta(comando kill) e uma senha para acesso aos dados da etiqueta.

Estas senhas são gravadas em 8 caracteres hexadecimais(32 bits). Por padrão de fábrica, estas senhas estão zeradas(em hexadecimal: 00 00 00 00).

Recomenda-se sempre colocar senha na etiqueta para que ninguém além de pessoas autorizadas consigam alterar os dados ou até inutilizar a etiqueta.

Banco 1

O EPC Memory(Memória EPC), possui o cabeçalho EPC ou Asset Family Identifier(AFI), o protocolo de controle(PC) e o Cyclic Redundancy Check(CRC-16).

O PC é um campo que define o tamanho do EPC. A etiqueta pode conter tamanhos variados de EPC: 24, 32, 64, 128 bytes, etc. Imagine que você comprou uma etiqueta que possui 32 bytes e precisa usar apenas 24 bytes. Neste caso o campo PC será alterado e os 8 bytes restantes continuam na memória, só que são separados logicamente na chamada memória adicional.

O CRC-16 será usado para checagem da consistência dos dados armazenados.

O EPC pode ser grável ou não. Isso quem define é o fabricante da etiqueta. Recomenda-se ler o datasheet da etiqueta para saber sobre suas características.

Banco 2

Chamado  de TAG Identification Memory(Memória de identificação da etiqueta), ela armazena dados do fabricante, modelo e identificação única da etiqueta(TID).

Todos os dados deste banco de memória não podem ser reescritos.

O TID é um campo numérico sequencial gerado pelo fabricante. Ele pode ser usado quando você deseja identificar uma etiqueta que tem o mesmo EPC ou deseja consistir se a etiqueta é falsa.

É importante ressaltar que o leitor RFID não distingue EPCs iguais, ou seja, se você colocar 2 etiquetas com o mesmo EPC na antena, o sistema irá ler apenas 1 etiqueta. Existem leitores especiais que possuem configurações para conseguir distinguir as 2 etiquetas separadamente, mesmo com o mesmo EPC. Mas, esta é uma opção específica de alguns leitores RFID.

Banco 3

Chamado de User Memory(Memória de Usuário), é um campo opcional onde possui uma memória que pode ser definida pelo usuário.

Para saber se a etiqueta possui memória, basta olhar o datasheet da etiqueta. A etiqueta pode variar seu tamanho de memória. Esta variação deve ser definida na hora da compra com o fornecedor.

Esta memória deve ser usada para processos internos de uma empresa. Por exemplo, em uma fábrica, quando inicia a produção do item, o sistema pode gravar na memória o código da ordem de produção. Quando este item passar por testes, o resultado deste teste pode ser armazenado junto com a ordem de produção na memória. No final da produção, esta memória poderá ser apagada.

Tales Boalim
Moura Informática

As frequências de operação das etiquetas e leitores RFID

Frequências do RFID

Comumente o RFID trabalha nas seguintes frequências:

  • 125Khz;
  • 13,56Mhz;
  • 868Mhz(Europa);
  • 902 a 928 Mhz;
  • 2,45Ghz e 5,8 Ghz.

A frequência é o número de ciclos repetidos em um intervalo de tempo da onda, onde é medido em hertz(Hz).

Frequência da etiqueta

A frequência define a taxa de transferência entre o leitor e a etiqueta. Quando maior a frequência, mas rápida é a transmissão de informações.

A diferença entre as frequências também define a aplicação da etiqueta. Por exemplo: etiqueta com frequências mais baixas, são mais capazes de ultrapassar a água, enquanto as que possuem maior frequência, são mais fáceis de serem lidas a distância.

Banda Faixa de frequência Alcance entre leitor/etiqueta Vantagens Desvantagens
125Khz LF(low frequency) Menos de 0,5 metros Boa operação próximo a metais e água Alcance entre o leitor e a etiqueta curto e baixa taxa de leitura
13,56Mhz HF(high frequency) Menos de 1 metro Baixo custo das etiquetas; boa interação e boa qualidade de transmissão Necessita de uma potência elevada nos leitores
860Mhz a 960Mhz UHF(ultra high frequency) Até 12 metros Baixo custo, etiquetas com tamanho reduzido Não opera bem próximo de metais e líquidos
2,45Ghz ou 5,8Ghz Microondas Acima de 10 metros Velocidade de transmissão de dados Não opera bem próximo de metais e líquidos; custo elevado

Aplicações das etiquetas

LF – 125Khz

Controle de acesso – o cartão nesta frequência só é lido numa distância muito curta, como por exemplo, 3 centímetros.

lf

HF – 13,56 Mhz

Controle de acesso – a pulseira quando aproximada ao leitor, pode acionar a liberação de uma porta ou registrar a entrada/saída de um local

hf

Antifurto – os objetos são etiquetados com uma etiqueta HF. Caso a etiqueta passar pelo portal, será emitido um sinal sonoro e luminioso pelo próprio portal.

Quando a venda do item é realizada, a etiqueta HF é removida do item para ser reutilizada em outro produto.

hf antifurto

Bilhete Único São Paulo – faz o controle de acesso de transporte público.

hf bilh unico

UHF – 860 a 960 Mhz

Cadeia de abastecimento – O custo da etiqueta também é uma grande vantagem, o que torna viável na implementação da cadeia produtiva.

Permite a identificação de objetos. Podem ser lidos na cadeia produtiva e a leitura por portais. A contagem de estoque é facilitada porque o objeto pode ser lido a 10 metros por exemplo.

uhf

2,45Ghz ou 5,8Ghz

Estas frequências não são usadas em escala comercial. São aplicadas em projetos industriais, científicos e médicos específicos.

Tales Boalim
Moura Informática

Referências:

RFID CoE Training Center – RFID Implementation